Descubra como é o Arquipélago de Alcatrazes, onde fica, por que visitar, como praticar um turismo sustentável na "Galápagos brasileira" e muito mais!

Imagine visitar um lugar praticamente intocado, que esteve fechado para o turismo durante 30 anos? A apenas 35km de distância do continente, o Arquipélago de Alcatrazes encanta com seus paredões, uma população de aproximadamente 10 mil aves e uma biodiversidade incrível de vida marinha.

Desde dezembro de 2018, quando foi aberto para visitas embarcadas e mergulho autônomo, Alcatrazes tem sido um exemplo de ecoturismo e turismo sustentável. Neste artigo você encontrará todas as informações que você precisa sobre este lugar, desde onde fica, como chegar, por que vale a pena visitá-lo, por que é conhecido como a “Galápagos brasileira” e muito mais. Vamos lá?

Caso prefira, vá direto ao tema desejado:

Tudo sobre o Arquipélago de Alcatrazes


Onde fica Alcatrazes?

O Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes fica a mais ou menos 35 km de distância de São Sebastião e Ilhabela, no litoral norte do estado de São Paulo.

Onde fica Alcatrazes no mapa:
onde fica alcatrazes no mapa

Como chegar em Alcatrazes?

As datas de visitação e número de turistas são limitados, por isso, primeiro você precisa agendar o passeio com uma das operadoras autorizadas pela ICMBio. No caso da Maremar Turismo, empresa que nos ofereceu essa experiência, eles possuem saídas da Praia Preta do Centro de São Sebastião e da base da Maremar em Ilhabela.
O trajeto entre o continente e as ilhas pode levar de 1 a quase 4 horas, dependendo da embarcação utilizada e do clima.

Como o Arquipélago de Alcatrazes se formou?

Alcatrazes nem sempre foi ilha. Durante o último período glacial, era uma montanha interligada ao continente em meio à Mata Atlântica. Com o derretimento do gelo há cerca de 15 mil anos atrás, o nível do mar subiu e isolou o local, transformando-o no arquipélago que conhecemos hoje.

Porque Alcatrazes é conhecida como Galápagos do Brasil?

As Ilhas Galápagos são um arquipélago conhecido por ter inspirado a teoria da evolução de Charles Darwin. Isso porque neste local isolado existem diversas espécies endêmicas, ou seja, que só podem ser encontradas por lá. Os mecanismos de evolução que originaram a fauna exclusiva de Alcatrazes são os mesmos que Darwin observou em Galápagos, em 1835.
O isolamento causado pelo aumento do nível do mar, fez com que as espécies de fauna e flora do local não tivessem mais contato com o continente, isso forçou uma adaptação e até extinção de algumas delas.
Um bom exemplo de adaptação é o da serpente jararaca de alcatraz. Com a extinção de pequenos roedores na ilha, seu principal alimento, elas passaram a comer baratas e lacraias. A queda no consumo de calorias forçou uma redução no tamanho e até a composição do veneno dessas cobras foi alterada.

Como surgiu o nome Alcatrazes?

O nome tem origem na palavra árabe Alcatraz, que significa “o mergulhador”, ele foi inspirado nos atobás, devido às suas habilidades em buscar alimento entrando no mar.

Por que visitar Alcatrazes?

Esse é um dos poucos lugares onde podemos acompanhar a natureza sem grandes impactos causados pelo homem e com grande diversidade de pássaros e peixes. Se você curte mergulho, birdwatching (observação de pássaros), é apaixonado por baleias e golfinhos ou simplesmente por se conectar com a natureza e aprender sobre ela, o Refúgio de Alcatrazes é pra você!

O passado de Alcatrazes

Com alvos coloridos nas encostas rochosas, Alcatrazes possui um histórico de conflitos.

Desde os anos 1980 a Marinha elegeu a ilha como local para exercícios militares, como tiros de canhão. Levando em consideração o fato de estar desabitada e devido a distância entre a base no Rio de Janeiro.

A prática desses tiros sempre foi alvo de protestos e ações judiciais, pois causavam muitos danos à biodiversidade única do local. Por outro lado, a limitação de acesso dos pescadores auxiliou, em parte, na preservação.

Ilha da Sapata e alvo de tiro pintado na parte direita da pedra
Ilha da Sapata e alvo de tiro pintado na parte direita da pedra
Foto: Elaine Villatoro

A partir de 1989 que as visitas de pesquisadores se intensificaram a fim de demonstrar a importância da preservação do arquipélago. Através de estudos e proposta para criação de um Parque Nacional Marinho de Alcatrazes, a luta pela conscientização começava. 

Mesmo com um incêndio em 2004 que consumiu 20 hectares da ilha devido a tiros de canhão, foi somente em 2013 que a Marinha cedeu. A criação do parque seria autorizada por eles, se pudessem migrar seus exercícios militares para a Ilha da Sapata, que ficaria de fora da área de proteção.

Foi em 2016 que o Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes foi criado e teve sua proteção estendida a toda a área do arquipélago, exceto a Ilha da Sapata. 

Com a supervisão do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) unificada com a Estação Ecológica Tupinambás (Esec Tupinambás) e conselho da Marinha, o turismo ecológico no arquipélago foi regulamentado e a abertura para visitação pública foi finalmente autorizada ao final de 2018.


A importância de Alcatrazes para o meio ambiente

Fragata macho sobrevoando Alcatrazes
Fragata macho sobrevoando Alcatrazes
Foto: Rafael Mesquita – Instagram @rafa.mesquita

A posição estratégica de Alcatrazes e sua abundância em alimentos, fazem do arquipélago uma parada obrigatória para espécies migratórias e morada de muitas outras. Os 70 mil hectares de área de conservação marinha que abrigam as ilhas, possui algo em torno de 1,3 mil espécies de flora e fauna.

Com 170 hectares, a ilha principal (Ilha de Alcatrazes), é o maior berço de aves marinhas do Brasil. São mais de 100 espécies e uma população em torno de 10 mil indivíduos, sendo suas duas maiores populações de Atobá e Fragata.

Sem falar nas espécies submersas que incluem corais, peixes, tartarugas marinhas, golfinhos, raias-manta e até mesmo baleias.


Curiosidades

O arquipélago de Alcatrazes é repleto de curiosidades, que vão desde dados sobre os animais silvestres que o habitam até uma lenda caiçara sobre a “Maldição de Alcatrazes“. Confira!

As formas do arquipélago de alcatrazes
As formas do Arquipélago de Alcatrazes
Foto: Elaine Villatoro
  • O arquipélago é formado por cinco ilhas maiores, quatro ilhas menores e cinco lajes (formações submersas compostas por costões rochosos);
  • Seu ponto mais alto é o Pico da Boa Vista (ou dos Alcatrazes), com 316 metros de altura. Ele lembra o Pão de Açúcar no Rio de Janeiro;
  • Os morcegos são os únicos mamíferos presentes no arquipélago;
  • Nele, há uma variedade de animais marinhos superior a qualquer outro lugar do Brasil, inclusive Fernando de Nornonha;
  • Cerca de 1,3 mil espécies de flora e fauna foram registradas em 2019, sendo 93 delas consideradas ameaçadas de extinção;
  • Alcatrazes é o maior sítio reprodutivo de aves na costa do Brasil e maior ninhal de fragatas do Atlântico Sul;
  • Conforme o nível do mar subiu e isolou o arquipélago, a fauna que existia ali se extinguiu ou se adaptou, originando 20 espécies endêmicas, entre elas a jararaca e a perereca de Alcatrazes.
  • Entre as espécies migratórias que passam pelo arquipélago estão a baleia jubarte e o pinguim-de-magalhães;
  • Segundo Vagner Gonçalves, da Gonçalves Turismo, há uma lenda de que a Ilha de Alcatrazes era amaldiçoada pois mudava sua forma e fazia com que os barqueiros perdessem a referência náutica. A maldição só acabaria quando um casal de caiçaras de São Sebastião levasse 7 casais de animais pretos para a ilha como um sacrifício. Isso foi feito e por isso ela assumiu sua forma atual.


Turismo em Alcatrazes

Tipos de atividades turísticas realizadas no refúgio:


Mergulho em Alcatrazes

Uma das atividades mais cobiçadas é o mergulho em Alcatrazes. Ao todo são 10 pontos com características e profundidades distintas que abrigam um aquário natural com diversas espécies marinhas.

Entre as principais atrações abaixo d’água estão os corais (inclusive o coral cérebro), tartarugas marinhas, tubarão-martelo, cação-anjo, raia-viola e raia-manta.


Observação de aves em Alcatrazes

Família de Atobás na Ilha de Alcatrazes
Família de Atobás em Alcatrazes
Foto: Elaine Villatoro

O birdwatching é uma modalidade de turismo voltada para a observação de pássaros, de forma recreativa.

Com mais de 100 espécies de aves, entre visitantes e residentes, Alcatrazes definitivamente é um dos destinos perfeitos para este passeio.


Observação de baleias e golfinhos em Alcatrazes

Observação de baleia jubarte
Observação de baleia jubarte em Alcatrazes
Foto: Rafael Mesquita – Instagram @rafa.mesquita

No passeio ao Refúgio de Alcatrazes, a emoção que já é garantida com toda a natureza praticamente intocada, pode ser ainda maior com a observação de cetáceos (baleias e golfinhos).

Entre os meses de junho a agosto ocorre o período migratório de alguns pássaros e baleias, já os golfinhos podem ser avistados em qualquer época.

Ao todo, 10 espécies de baleias e golfinhos foram registradas na região, com destaque para a baleia-jubarte, conhecida por seus shows ao saltar para fora da água. Entre os golfinhos, destaques para o pintado-do-Atlântico e toninha, o mais ameaçado de extinção.



Maremar Turismo

Nós fizemos o passeio ao Refúgio de Alcatrazes a convite da Maremar Turismo, empresa autorizada pela ICMBio tanto para a visita embarcada quanto para o mergulho de cilindro, e que além disso, oferece outras 13 opções de passeios por Ilhabela. 

Sua embarcação “Descubra Alcatrazes” foi desenvolvida especialmente para essas atividades, é equipada com banheiro e comporta até 29 pessoas, sendo essa capacidade reduzida para 12 no caso de mergulho.

Por se tratar de um barco de alta velocidade, o tempo de navegação é de aproximadamente uma hora.

Embarcação "Descubra Alcatrazes" em atividade
Embarcação “Descubra Alcatrazes” em atividade
Foto: Rafael Mesquita – Instagram @rafa.mesquita

A visita embarcada custa R$350 e tem duração de quase 9 horas. O mergulho dura cerca de 7 horas e custa R$750 (2 cilindros e lastro inclusos). Ambos os embarques saem às 8hs da Base da Maremar em Ilhabela e 8:30hs da Praia Preta do centro de São Sebastião.

Lanche oferecido pela Maremar Turismo

Nos valores por pessoa estão inclusos wraps divinos (há opção vegana), refrigerante, frutas, suco, máscaras e snorkel.

A idade mínima para participar dos passeios são de 6 anos para visita embarcada e 12 para o mergulho.


Medidas de prevenção durante a pandemia

Condutor autorizado ICMBio
Patrick Pina – Um dos biólogos que nos acompanhou durante a expedição para Alcatrazes
Foto: Elaine Villatoro

É sempre bom relembrar que ainda estamos em pandemia e todo cuidado é bem vindo. Entre as medidas tomadas pela Maremar, estão:

  • Uso obrigatório de máscara durante toda a permanência no equipamento;
  • Sanitização diária dos equipamentos;
  • Álcool em gel para o uso coletivo.


Regras, restrições e recomendações para a prática de um turismo sustentável no refúgio

paredões de ilha de alcatrazes em são sebastião
Pico da Boa Vista na Ilha de Alcatrazes em São Sebastião, SP
Foto: Elaine Villatoto

Para que o turismo em Alcatrazes seja realizado de forma ética e responsável algumas medidas foram adotadas, como por exemplo:

  • Apenas embarcações e profissionais autorizados e treinados pelo ICMBio Alcatrazes podem atuar na região;
  • Não é permitido desembarcar na ilha;
  • Não é permitida a utilização de plásticos e descartáveis nos passeios;
  • Ao menos um profissional de biologia deve estar a bordo para que haja educação ambiental aos visitantes;
  • O uso de drones não é permitido pois podem perturbar as aves.

Os turistas possuem um papel importante na preservação de destinos como esse. Quer saber como você pode contribuir?

  • Exija apenas operadoras autorizadas;
  • Durante o mergulho e snorkel, não faça uso do bastão de selfie nem persiga os animais marinhos;
  • Os componentes químicos afetam demais a fauna marinha, principalmente os corais cérebro, que são bem sensíveis. Por isso, passe o protetor solar (de preferência biodegradável) durante o embarque para dar tempo da pele absorver até que você chegue no destino. Assim, você não contaminará a água durante o snorkel ou mergulho.
  • Qualquer resíduo, mesmo que orgânico, deve retornar com o passeio e descartado de maneira apropriada.


O que levar para Alcatrazes 

Alguns itens podem fazer a diferença na sua experiência. Veja abaixo uma lista com o que levar para Alcatrazes:

Mulher vestindo jaqueta impermeável e corta vento. O que levar para Alcatrazes SP
  • Máscara de proteção contra o COVID;
  • Remédio para enjôo (para caso haja necessidade);
  • Protetor solar biodegradável;
  • Jaqueta corta vento e impermeável;
  • Toalha de microfibra (além de secar rápido ela ocupa bem menos espaço do que a tradicional);
  • Roupa de banho e uma troca de roupa para o retorno;
  • Camiseta de manga longa com proteção UV;
  • Neoprene para snorkel e/ou mergulho (A água costuma ser gelada);
  • Elástico, ou faixa para prender o cabelo;
  • Câmera fotográfica (GoPro para usar debaixo d’água).

Aproveite nosso cupom de 10 % de desconto no site da Columbia Sportswear!


O turismo de observação realizado aqui é um grande aliado da preservação da vida silvestre. Com mais embarcações frequentando o local, viajantes se tornam vigilantes do bem. Bora fazer parte disso? =)


Obs: Essa viagem foi realizada a convite da Maremar Turismo, mas fique tranquilo, todas as opiniões expressadas aqui são sinceras e refletem nossa experiência no local, que por sinal foi muito maravilhosa a ponto de me dar orgulho de ver um projeto tão lindo como este acontecendo em nosso país.


Leia também: